NATAL - FÉ- ESPERANÇA E AMOR

PRIMEIRA PARTE

“Abre as cortinas”(não é necessário cortinas, podem entrar diretamente no salão)

Aparece um menino com uma grande estrela (de 4,6 ou 8 pontas) na mão e para num canto do palco e fala:

 

               Uma estrela - Fruto de amor

 

Logo após aparecem, dos cantos 2 jovens vestidos de evangelizadores  que dirão A PARÁFRASE DE NATAL.(não precisa ser decorada – pode ser lida, mas por uma pessoa que tenha voz firme e saiba falar bem!)

 

PARÁFRASE DE NATAL

1.Ainda que eu repetisse a história do Natal e cantasse os seus lindos hinos, e não tivesse amor, seria como metal que soa ou como o sino que retine...

2.Ainda que eu recebesse numerosos presentes de Natal e conhecesse o seu valor comercial; e ainda que eu celebrasse a festividade do Natal em meio a dias incertos e tenebrosos, e não tivesse amor, de nada serviria...

1.E, ainda que distribuísse presentes de Natal aos pobres e entregasse o meu corpo às intempéries do tempo para ministrar aos necessitados, e não tivesse amor, de nada aproveitaria...

2.Especialmente no Natal, o festival de amor, o amor é paciente e benigno; o amor não é invejoso, o amor não trata com leviandade, o amor não se ensoberbece...

1.Embora o Natal traga consigo as sua tentações, o amor não trata com indecência; não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se alegra com a injustiça, mas alegra-se com o amor de Deus manifesto em Jesus Cristo, o Senhor...

2.Este maravilhoso amor de Deus, derramado sobre o mundo, através do infante de Belém, faz com que possamos tudo sofrer, tudo crer, tudo esperar, tudo suportar...

1.O amor jamais acaba: ainda que haja pinheirinhos de Natal, estes expirarão; ainda que haja enfeites multicores, estes perecerão; ainda que haja gritos alegres de crianças, estes cessarão...

2.Porque estas coisas são apenas a manifestação terrena da alegria do Natal, mas quando o Natal perfeito vier, então, o que é em parte será aniquilado...

1.Quando eu era criança, falava a respeito do Natal como criança, compreendia o Natal como criança, pensava a respeito do Natal como criança; - mas quando me tornei grande, despojei-me das minhas idéias egoístas sobre o Natal...

2.Porque agora vemos apenas de relance a beleza do Natal, mas então veremos em toda a sua glória. Agora eu conheço em parte o significado desse dia, mas, então conhecerei o Natal assim como eu mesmo sou conhecido...

1.Possa este maravilhoso espírito de amor, o verdadeiro espírito de Natal, encher o nosso coração, neste tempo em que Cristo nasceu.

 

“Fecham-se as Cortinas” ou “Todos saem da sala”

 

Quatro pessoas, onde cada uma diz um dos versos de cada estrofe abaixo e o segundo verso de cada estrofe, todos dizem juntos:

 

1.Deus tem amado o mundo inteiro, Deus tem amado também a mim.

Todos quatro juntos: Tomo a dizer: Deus tem amado, Deus tem amado também a mim.

2. Achei-me preso em vil pecado, achei-me preso, sem salvação.

Todos quatro juntos:Tomo a dizer: Deus tem amado, Deus tem amado também a mim.

3. Jesus querido me foi mandado, Jesus querido salvou-me a mim.

Todos quatro juntos:Tomo a dizer: Deus tem amado, Deus tem amado também a mim.

4. Jesus tornou-se por mim culpado, Jesus tornou-se meu Salvador.

Todos quatro juntos:Torno a dizer: Deus tem amado, Deus tem amado também a mim.

 

SEGUNDA PARTE

 

“Abrem-se as Cortinas”ou “entram na sala”

 

Os dois evangelizadores falam  de dentro do palco

 

1º – Despertai, despertai! O Natal chegou! Que cada coração se regozije!

2º – Ouvi! Ouvi! O Natal chegou! Alegrem-se as nações!

 

(No centro do palco, coloca-se uma cadeira baixa, ou uma caixa coberta com tapete em forma de TRONO, onde subirá e se sentará a menina que falará do amor.)

Três jovens que representarão: “ o Natal”, “ A Fé”, “ A Esperança” e “O Amor” deverão ser pessoas  que saibam falar bem(Voltam os dois evangelizadores e trazem a (o) jovem toda trajada de branco, com uma faixa no peito com a palavra “NATAL”. Oferecem a ela o trono, mas ela recusa fazendo um “NÃO” com a cabeça. Os evangelizadores  ficam parados do lado do palco)

 

NATAL ( fala ):  Novamente os povos se regozijam pelo transcorrer de mais um Natal. Mais de dois mil anos se passaram desde que a manjedoura de Belém foi transformada em berço. Gerações e gerações têm passado, deixando um rastro de lágrimas e um caminho de esperanças. Mesmo assim, a glória e o gozo do Natal têm permanecido inalteráveis. Vamos trazer nesta noite três convidados que são a verdadeira essência do Natal. – E vamos convidá-los para que habitem sempre em nossos corações, e depois, levemo-los aos corações daqueles que ainda não o conhecem. Esta é a maior bênção do Natal, o mais grandioso trabalho que se pode fazer para o Rei dos Reis, o redentor da humanidade.

 

 “Natal” volta-se para os evangelizadores

 

NATAL (fala) – Apressai-vos, meus evangelizadores, e fazei entrar o primeiro convidado.

 

(“Evangelizadores” trazem a menina trajada de vermelho, com a faixa “FË”. Então “NATAL” lhe oferece o lugar de honra no trono, mas ela recusa. "FÉ" para na ponta do palco)

 

NATAL (fala) – “Ora a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a certeza das coisas que não se vêem”.

 

FÉ (fala) – Havia fé no mundo quando Jesus nasceu. Muito antes da grandiosa Estrela brilhar sobre a pequenina Belém; mesmo quando os pastores ainda não vigiavam os seus rebanhos durante a noite nos campos, os profetas antigos, cheios de fé, já anunciavam que Jesus iria vir. É o profeta Isaías que disse no Antigo Testamento: portanto o Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e terá um Filho, a quem porá o Nome de Jesus.

A profecia se cumpriu e tornou possível e mais fácil ao homem acreditar na verdade que ela contém, crendo firmemente no poder de Deus. A salvação desceu ao berço da manjedoura de Belém. A vida eterna se achava envolta nas vestimentas do Filho de Maria.

 

NATAL (fala) –  Evangelizadores, fazei entrar o segundo convidado.

 

(“Evangelizadores” trazem a menina trajada de verde, com a faixa "ESPERANÇA". Então “NATAL” lhe oferece o lugar de honra no trono, mas ela também recusa. E para ao lado da "FÉ")

 

NATAL (fala)  – E a esperança não confunde, porque o amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado”

 

ESPERANÇA (fala) – Havia esperança no mundo, quando Jesus Cristo nasceu. A estrela de Belém, no entanto iluminou uma nova esperança, para uma nova vida de honra, liberdade. Os casados, aflitos, e sobrecarregados, encontraram esperança na manjedoura de Belém. A esperança é uma valiosa amiga, possuidora de grande poder, porém sua maior característica é purificar as mentes. O apóstolo João diz: E qualquer que em Jesus tem esperança, purifica-se e a si mesmo, como também Ele é puro. Esta é a grande esperança que purifica a mente, o caráter, a alma. Esperança que se vê não é esperança, e ao esperarmos o que não vemos, deverá ser com paciência.

 

NATAL (fala) – o lugar de honra continua vazio. "FÉ" e "ESPERANÇA" acham que não devem ocupar este lugar. Saí meus evangelizadores, e trazei o nosso próximo convidado de honra.

 

Enquanto os evangelizadores saem, falam "NATAL" "FÉ" e "ESPERANÇA”  juntos:

 

“Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho Unigênito, para que todo o que N’Ele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”

 

NATAL (fala) – Agora permanecem estes três: a "FÉ", a "ESPERANÇA" e o “AMOR”. Mas o maior deste é o Amor. Sem o imenso Amor de Deus, não haveria Natal.

 

Entra o "Amor" e sobe ao trono: menina trajada de branco, com a faixa "Amor"

 

AMOR (fala) – Eu sou o Amor. Havia amor no mundo quando Jesus nasceu. Mas foi na pobre manjedoura de Belém, tendo por berço uma caminha de feno, que o Amor se concretizou e veio habitar entre o povo. Foi o Amor que abriu os portões do Céu, e fez baixar o Cristo em forma de Homem. Foi ainda o Amor que O guiou até Belém, trazendo-O ao mundo. E este Seu Amor espalha os Seus raios benignos sobre toda a terra até hoje. Que infinito Amor! Fazendo Deus baixar até a terra, a fim de o homem subir até o Pai Celestial no Céu, não como condenado, mas salvo e redimido, transformado em filho querido. Amor! Amor! O Sempre Eterno Amor de Deus! Amor essência de Deus o próprio Deus enviado aos homens na pessoa de Jesus Menino, o Redentor, que sendo Deus é o amor.

 

 “Fé", "Esperança", "Amor" e "Natal" ficam parados no palco de frente para a platéia

 

FÉ (fala) – O Natal nos trouxe amor! Foi Jesus quem nos trouxe o amor. É Ele o presente do amor de Deus. Sua vida foi um hino de amor. Sua morte tornou-se a expressão suprema do Seu amor ao mundo perdido. Foi Jesus quem colocou no coração de Seus seguidores o amor que serve e que renuncia a tudo por Deus, que intercede e que se submete e torna todas as coisas possíveis.

 

ESPERANÇA (fala) –  O Natal nos trouxe esperança. Alguém chamou o Natal de “O Aniversário da Esperança”. Desde quando Adão e Eva foram expulsos do Jardim do Éden, que a promessa da vinda do Messias se tornou um raio de esperança. Ele era o Rei que se assentaria no Trono e governaria o mundo com justiça para todo o sempre.

 

NATAL (fala) – O Natal nos trouxe fé. Entre os mais de 6 bilhões de pessoas que povoam o mundo, há milhares de milhares ainda no vale da sombra da morte. Vamos falar a eles sobre a vida eterna, da vida abundante que Jesus nos veio dar. Jesus mesmo diz: Eu vim pra que tenham vida e vida em abundância.

 

AMOR (fala) – Eis o verdadeiro Natal, e com ele, nova oportunidade de consagração de vida, prontidão em fazer Cristo conhecido. Mas como conseguir isso? Perguntaram muitos – Como? Anunciando o Evangelho! Se não podemos ir, rezamos! Sustentemos os que vão e os que mandamos com as nossas ofertas e as nossas orações e cantaremos com alegria.

 

“Fecham-se as Cortinas” ou todos saem da sala

Três pessoas, cada uma diz um dos versos das estrofes abaixo, e todos três juntos, dizem o segundo verso de cada estrofe:

 

1.Ó tempo santo de Natal, tu tens mensagens lindas! O mundo não tem luz nem paz, mas isto meu Jesus me traz.

Todos juntos: Ó tempo santo de Natal, tu tens mensagens lindas!

2. Ó tempo santo de Natal, alegras toda a gente! Jesus a cada coração traz vida, paz, consolação.

Todos juntos : Ó tempo santo de Natal, alegras toda a gente!

3. Ó tempo santo de Natal, eternamente lindo! Reina alegria na terra e no céu: o amor do Pai Jesus nos deu.

Todos juntos : Ó tempo santo de Natal, eternamente lindo!

 

TERCEIRA PARTE

 

Abrem-se as Cortinas (Cinco crianças, cada uma traz em suas mãos, uma das letras que formam a palavra N-A-T-A-L)

 

Natal, natal, voz divina, de poesia peregrina, de humildade que fascina as chamas da eternidade.

É que esse dia faustoso deu à vida um som garboso, tornou o mundo ditoso dando-lhe o Dom de Jesus.

A estrela branca, fulgente, que das brumas do Oriente espancara a treva ingente, norteando reis aos céus.

Anunciava outro sol, da santidade o crisol, da eternidade o arrebol, Jesus o Filho de Deus.

Tal nova, do céu descida, à humanidade perdida trouxe esperança, e vida, derramou no mundo.

A luz divina do amor, do céu radiante fulgor, que de Belém ao Tabor, aureolava a Jesus.

A voz sublime dos Anjos, na alegria dos Arcanjos, ao som das harpas e dos banjos, nas altitudes dos céus,

Trouxe, à humanidade inteira, a notícia alvissareira e a lição de paz inteira, a adoração verdadeira,

Dos homens para o seu Deus.

Lá na Judéia famosa, na aldeia mais mimosa, nossa aldeia de Belém, na noite da humanidade,

Jesus, em graça e verdade, no seu berço de humildade se nos deu – o Sumo Bem.

 

Todos cantam um Canto de Natal... (Escolher um)